O que é autoestima?

Banner O que é AutoestimaMuito se fala sobre autoestima, e muitas vezes o seu significado é incompreendido.

Para alguns, autoestima é simplesmente gostar de si mesmo. Outros confundem autoestima com egoísmo, presunção, arrogância. Até o termo amor-próprio tem um significado negativo, quando o ideal é que todos nós possamos amar a todos, inclusive a nós mesmos.

E o que é autoestima? No dicionário encontramos:

estima .

[Dev. de estimar.] S. f. 1. Sentimento da importância ou do valor de alguém ou de alguma coisa; apreço, consideração, respeito: O gerente gozava da estima de todos os empregados. 2. Afeição, afeto; amizade: A professora tinha grande estima àquelas crianças. 3. Apego que se dedica a um animal, a um objeto, etc. 4. V. estimativa (1): As medidas foram tomadas de acordo com a estima dos peritos. [Sin. ger.: estimação.]

autoestima . [De aut(o) + estima.] S. f. 1. Valorização de si mesmo, amor próprio.

Para a Psicologia, a autoestima, ou o “autorrespeito positivo“, refere-se ao valor e qualidades que atribuímos a nós mesmos, ao conceito que temos sobre nossas limitações e potencialidades. É a disposição para se perceber competente em lidar com as dificuldades básicas da vida e ser merecedor de felicidade.

Então, autoestima não é simplesmente “gostar” de si mesmo. Nem é frequentar regularmente o cabeleireiro e lojas de roupas e sapatos.

Simplificando um pouquinho, autoestima é a confiança no próprio potencial, a certeza da capacidade de enfrentar os desafios da vida, a consciência do próprio valor e do direito ao sucesso e à felicidade. E isto conduz a uma conclusão: a autoestima pode ser alta ou baixa, e qualquer uma das duas é autoestima.

E a alta autoestima não tem relação com egoísmo, prepotência, superioridade, etc..

Ao contrário, esses traços de personalidade denunciam baixa autoestima.

Quem tem elevada autoestima não precisa provar o seu valor pela comparação com os outros.

Segundo Nathaniel Branden, doutor em Psicologia e um especialista em autoestima, ter elevada autoestima é sentir-se adequado à vida, competente e merecedor. Ter baixa autoestima é sentir-se inadequado à vida, errado – não sobre algo específico, mas errado como indivíduo.

As bases da autoestima

Pelo exposto até aqui, podemos dizer que as bases da autoestima são a autoconfiança e o autorrespeito.

Autoconfiança: confiar em si mesmo, saber-se capaz mesmo diante de situações novas. Isto não quer dizer que a pessoa tem que saber tudo a respeito de tudo, e sim que ela confia que é capaz de agir positivamente em circunstâncias desconhecidas, e às vezes adversas.

Autorrespeito: a consciência e a aceitação do próprio potencial, mesmo quando os resultados são diferentes do esperado. É a ação resultante da própria escala de valores.

E por que a autoestima é importante?

Cada pessoa pensa e se comporta da maneira que lhe é própria e que corresponde à imagem que faz de si mesma. Vejamos algumas diferenças:

As pessoas com baixa autoestima geralmente:

  • culpam os outros pelos seus erros,
  • acham que qualquer conversa é um “confronto”,
  • precisam “ganhar” as discussões,
  • são muito preocupadas com “o que os outros vão pensar”,
  • dependem da imagem que os outros têm delas.

Já as pessoas com elevada autoestima geralmente:

  • assumem a responsabilidade por suas ações,
  • são afirmativas sem agressividade,
  • são objetivas em suas opiniões,
  • não se preocupam em demasia com o que os outros pensam delas,
  • aceitam-se pelo que são.

O modo de vida atual exige que vivamos correndo. As exigências dos atuais padrões de bem-estar acabam distorcendo a percepção da nossa própria existência. A autoestima existe para ajudar a pessoa a se manter com seu caráter e sua personalidade definida. Em outras palavras, quando a pessoa está bem consigo mesma, tudo vai bem, sua autoestima está alta; quando sua vida emocional está em conflito, sua autoestima, consequentemente, está em baixa.

E como é fácil para as pessoas caírem nas armadilhas do “eu não valho nada!” Se não possuo o corpo perfeito, se não sou tão inteligente como fulano, se os resultados que obtive não correspondem ao desejado, então eu não sou digno de coisa alguma!

Quando a autoestima é negativa, baixa, o crescimento fica estagnado, a coragem diante da vida diminui, desistimos até de arriscar coisas novas, de sonhar. Por isso, diz-se que a autoestima é um valor de sobrevivência.

Alguns autores definem a autoestima como o sistema imunológico da mente e do espírito.

Porque ter uma alta autoestima?

“Quem se gosta, gosta mais do mundo.”

Os nossos comportamentos são determinados pelas imagens que fazemos de nós mesmos. Citando mais uma vez Nathaniel Branden: “Quanto maior a nossa autoestima, mais bem equipados estaremos para lidar com as adversidades da vida; quanto mais flexíveis formos, mais resistiremos à pressão de sucumbir ao desespero ou à derrota. Quanto maior a nossa autoestima, maior a probabilidade de sermos criativos em nosso trabalho e maior a probabilidade de obtermos sucesso”.

Pessoas com elevada autoestima têm mais energia, motivação e iniciativa, têm disposição de admitir e corrigir “erros”, estão mais atentas às oportunidades, aceitam o risco de enfrentar situações novas, são receptivas aos sinais internos de intuição e de criatividade, são perseverantes diante de situações adversas, são independentes e flexíveis, e muitas outras qualidades positivas.

Como conseguir uma elevada autoestima?

Desde que nascemos, fatores inconscientes formam a nossa autoestima.
Geralmente não temos consciência de nossos pontos fortes e de nossas fragilidades e, por isso, não podemos superar nossos limites nem nos apoiar em nossos recursos.

Eis alguns passos que conduzem a uma autoestima positiva:

  • Consciência do processo de autoestima.
  • Identificar a auto-imagem e como ela é formada: existem bases reais para ela ou ela é produto de expectativas – próprias e de outros – infundadas?
  • Aceitação própria: qualidades e “defeitos”.
  • Viver conscientemente: sem negar as circunstâncias, sem “jogar para o inconsciente”.
  • Alterar os registros, as memórias das situações que instalaram noções de baixa autoestima.
  • Aqui algumas técnicas são úteis: visualização criativa, técnicas da Terapia Cognitiva, e aquelas usadas na Programação Neurolinguística, entre outras.

Para finalizar:

Cuidar da própria autoestima é mais que uma obrigação: é um dever.

Sobre o curso “Elevando a AutoEstima”, clique aqui.

Talvez você não saiba, mas você tem um direito:

O direito de ser feliz!